Tuesday, June 28, 2005

Prosódia Bop # 2

Em Lisboa, até ao fim de Junho, está patente na Casa fernando Pessoa uma exposição de fotografia intitulada Absurdity is King - Twilight of the Beats, de Brian Grahan. São cinquenta fotografias que retratam as viagens dos mais importantes autores da Beat Generation. Por lá podemos ver fotos do espólio de Allen Ginsberg, com Jack Kerouac, William Burroughs, Gregory Corso, Neal cassady, Timothy Leary, Peter Orlovski, entre outros, assim como trabalhos do próprio Grahan, sobretudo dos anos 80. Um must.
Ao deambular por alí, lembrei-me de Kerouac a escrever o mar, como se pode ler nas páginas finais de Big Sur e... escrevi:
Será que nos podemos perder no tempo do mar?
Será que vamos ter tempo para nos perdermos no tempo do mar?

Wednesday, June 15, 2005

Prosódia Bop # 1

Coimbra estava às moscas, como sempre acontece em tempo de exames, e pela fresta aberta da passadeira da noite, atravessei, com um pequeno livro debaixo do braço, para o outro lado, na esperança de encontrar alguma alma penada. Não me lembro que livro era, mas lembro-me que, naquela noite calada, alguém se me dirigiu aludindo que aquele livro, que continuava apertado na minha mão direita, não valia um corno. Sinceramente gostava de me lembrar que livro era aquele, mas não, não consigo, para pena minha e vossa... Do que me lembro bem é do tom ébrio e arrogante com que o tipo falou acerca do meu livro, todo orgulhoso, percebi-o mais tarde, por ter o "On the Road" debaixo do braço. Durante anos detestei o gajo por me ter falado assim - quem é que ele pensava que era, afinal - mas, paradoxalmente, com o passar do tempo, passei a gostar do tipo, porque foi ele, afinal, que me abriu o caminho para o encontro com o inventor da prosódia bop, o meu mui bem amado Jack Kerouac, irmão, desde esse dia, de todos os dias, com quem choro e ri-o, me agacho e elevo, me cubro e desnudo... Este blog é para ti, Sal Paradise, e para todos os que de ti gostam, e para os teus amigos também. Salvé.